domingo, 15 de julho de 2012

ANALISE TÉCNICA DE GRAÇA

 OPERANDO OPÇÕES.

As operações envolvendo opções parecem complicadas não é mesmo?

Veja:

O que é "vender uma opção de compra"?

O que é "comprar uma opção de venda"?

Estes termos são bastante simples, se lembrarmos que as opções se dividem em apenas dois grupos:

CALLS (opções de compra).
PUTS (opções de venda).

Pronto, agora você pode se posicionar de duas maneiras:

Comprando ou vendendo a opção, resultando em quatro combinações:

Comprar uma CALL = A opção da ação é de compra.

Vender uma CALL = A opção da ação é de compra.

Comprar uma PUT = A opção da ação é de venda.

Vender uma PUT = A opção da ação é de venda.

De um modo geral, uma opção confere ao seu comprador um direito, porém não uma obrigação, de adquirir um determinado ativo a um preço previamente estabelecido.

 Assim, caso na data do vencimento por exemplo, amanhã, 16.07.2012 as Letras "G" para COMPRA = CALL ou "S" para VENDA = PUT, não seja interessante a este investidor exercer a opção, ele terá um prejuízo equivalente ao prêmio da opção.

O comprador de uma opção tem o seu potencial de perdas limitado, ou seja, o seu prejuízo máximo corresponde ao pagamento do prêmio.

Por outro lado, o potencial de ganho é irrestrito, uma vez que não há limite para a diferença entre o preço de exercício da opção e o preço do ativo base no mercado à vista.

Já o vendedor da opção tem a obrigação de exercê-la, caso assim seja decidido pelo seu comprador.

Deste modo, o investidor tem o seu potencial de perda ilimitado, enquanto o seu ganho poderá ser igual, no máximo, ao valor do prêmio da opção.

Como o perfil de risco do vendedor da opção é bastante elevado (dado que sua perda potencial é irrestrita), é comum o investidor adotar esta estratégia somente quando possui o ativo base,(ação adjacente) podendo, assim, ter uma proteção frente a oscilações adversas do preço do ativo objeto.

Então, vamos ver como é SIMPLES a coisa:

COMPRANDO UMA CALL, AÇÃO COM LETRAS "G" OPÇÃO DE COMPRA:

A compra de uma call de maneira trivial, o comprador de uma opção de compra está interessado na valorização do ativo base, pois, caso na data do vencimento o preço do ativo objeto seja superior ao preço de exercício, este investidor exercerá a opção, auferindo um lucro equivalente à diferença entre o preço do ativo no mercado à vista e o preço de exercício da opção (desconsiderando aqui o pagamento anterior do prêmio).

O ganho deste investidor seria ilimitado, enquanto sua eventual perda seria equivalente, no máximo, ao prêmio.

Suponha agora que o preço do ativo base no mercado à vista esteja, na data do vencimento, muito acima do preço de exercício.

Esta situação da ao comprador da call obter um ganho expressivo.

Por outro lado, caso o preço do ativo esteja bem abaixo do preço de exercício, a opção não seria exercida e o comprador da call teria arcado com uma perda limitada, rigorosamente igual ao prêmio da opção.

VENDENDO UMA CALL, AÇÃO COM LETRA "G" COM OPÇÃO DE COMPRA:

Pode-se extrair que o vendedor de uma opção de compra está interessado na queda do ativo objeto no mercado à vista.

Isto porque, se na data do vencimento o preço do ativo estiver abaixo do preço de exercício, o comprador da opção não irá obrigá-lo a exercê-la, de modo que ele (o vendedor) terá auferido um lucro equivalente ao prêmio da opção.

No entanto, caso o preço do ativo no mercado à vista esteja bastante acima do preço de exercício, o comprador da opção irá obrigá-lo a exercer a opção e o investidor em questão terá apurado um prejuízo significativo e equivalente à diferença entre o preço do ativo objeto no mercado à vista e o preço de exercício.

COMPRANDO UMA PUT, AÇÃO COM LETRA "S" COM OPÇÃO DE VENDA:

Agora fica mais SIMPLES ainda se você entendeu as duas partes aí de cima:

O processo é exatamente o contrário, quer ver?

Quem compra uma put espera que o preço do ativo objeto no mercado à vista caia, de modo que, na data do vencimento, este esteja abaixo do preço de exercício e o investidor possa auferir um lucro que corresponderia à diferença entre o preço de exercício e o preço do ativo base.

Quem vende uma put aposta que, na data do vencimento, o preço do ativo base estará acima do preço de exercício, de modo que a opção não será exercida e este investidor terá auferido um lucro equivalente ao prêmio da opção.

Por outro lado, se, na data do vencimento, o preço do ativo objeto estiver abaixo do preço de exercício, a opção será exercida e este investidor terá um prejuízo equivalente à diferença entre o preço de exercício e o preço do ativo base.

Por enquanto para entendimento "SIMPLES" é só isso mesmo blz?

Fica de olho então nos lançamentos das ações subjacentes, "G" no caso de CALL e "S" no caso de PUT para o mês de julho/que vence amanhã 16.07.2012 e nos próximos lançamento, Série "H" e "T" respectivamente para vencimento em 20.08.2012.

E aí, achou complicado fazer operações de opções?

Então é o seguinte, não vai comprando uma opção subjacente (CALL) ou vendendo uma opção subjacente (PUT), só porque você esta vendo ou alguém dizendo que a ADJACENTE esta para ALTA ou BAIXA, conforme o caso, pois, o lançador poderá estar levando você ao erro a operar do jeito que ele quer e não do jeito que você gostaria que fosse blz?

Quem é o lançador?

Para comprar OPÇÃO DE COMPRA e OPÇÃO DE VENDA:

A letra final de cada código da ação antes do numero que corresponderá o preço sugerido para tal opção, aparecerá as letras de (A a L) correspondendo as compras "CALL" e as letras de (M a Z) correspondendo as vendas "PUT" com seus respectivos meses de JANEIRO A DEZEMBRO.

Veja dois exemplos abrindo uma gráfico de  "CALL e PUT" da PETRO.

PETR"G"18 = CALL = COMPRA

PETR"S"18 = PUTT = VENDA

Por exemplo, quem comprou CALL "PETRG18" lá embaixo a R$ 0,60, amanhã estará bem na foto!

Por exemplo, quem vendeu PUT "PETRS18" lá em cima a R$ 0,60, amanhã também estará bem na foto!

Me aguarde que vou lhe mostrar a "TOCA DO COELHO" nos gráficos para você ganhar alguns blz?

NC-AQ

Nenhum comentário: